Agamenon Almeida

A vida é a arte do possível na busca do impossível.

Textos


ESPERANÇA

Trabalhei loucamente na areia
Contei freneticamente todas as nuvens
Calculei exatamente todos os ventos
E, lentamente, passou-se a vida.
Um dia, quando menos esperava
A morte bateu à minha porta.
Naquela milionésima fração de tempo
Todas as dores, temores, horrores.
Sozinho, nos labirintos de uma madrugada
Sucumbi.
Sob as garras do indizível
Aportei no vale da morte:
Pânico, depressão, desespero.
Longos anos.
Dura dor.
Um dia terei de novo
A leveza de uma criança?
Não sei.
Ainda me resta
Camo dádiva
Esperança.
Agamenon Almeida
Enviado por Agamenon Almeida em 17/06/2007
Alterado em 02/07/2007
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras